A transição de um emprego estável para um negócio próprio

No meu último post falei sobre 6 perguntas que podem, e devem, ser usadas como reflexão para você pensar sobre o que está fazendo e onde realmente quer chegar. E como comentei, eu retorno de tempos em tempos fazendo as mesmas perguntas como uma forma de renovação de votos. Se percebo que meu trabalho começou a ficar sem sentido, que não estou sendo útil ou não estou causando impacto positivo na vida das pessoas, significa que preciso parar, reavaliar e mudar.

A última vez que iniciei uma mudança radical foi no final de 2010. Eu era um engenherio de telecomunicações recém formado, trabalhando numa grande consultoria para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e com um futuro “praticamente desenhado”. Poderia aproveitar toda a experiência na consultoria de grande porte (sim, eu viajava de terno e gravata para fazer reuniões com figurões em Brasília) e seguir nesse mercado; ou poderia prestar um concurco público, decisão de quase 80% dos meus colegas de faculdade.

Porém, bem perto do final de 2010 parei num final de semana para responder às 6 perguntas e reavaliar se estava seguindo o caminho que meu coração apontava. E a respota foi um grande NÃO. Eu simplesmente não conseguia me enxergar trabalhando naquelas posições, eu queria mais. Queria fazer mais, queria impactar mais, queria produzir mais, queria criar mais, no final: queria viver mais.

Foi então que iniciei minha transição para sair do emprego seguro e estável que tinha desenhado a minha frente para iniciar meu próprio negócio. Não foi algo da noite para o dia, precisei desenhar um bom plano para poder mudar com segurança. Afinal, nessa época eu já estava casado e com diversas responsabilidades assumidas.

Sempre que posso gosto de compartilhar os passos que segui quando converso com quem está começando a empreender ou em fase de transição do emprego para o negócio próprio. Agora decidi colocá-los aqui no blog para de alguma forma também contribuir com a sua jornada.

1 – Não peça demissão

Sim, a primeira coisa a fazer é não sair correndo de onde você está hoje. Para mudar você vai precisar de dinheiro e o dinheiro certo que você tem hoje é do seu trabalho atual.
Além disso, existem boas chances de você não conseguir criar um negócio bem sucedido na primeira tentativa, então o mais seguro para você e sua família é manter seu trabalho atual.

2 – Crie uma poupança para emergências

Comece a guardar dinheiro enquanto você tem uma renta fixa. Procure criar uma poupança com o suficiente para manter você e sua família por pelo menos três meses. Dessa forma, quando for o momento de se dedicar 100% ao seu negócio, você não terá tanta pressão para obter retorno logo no primeiro mês. E caso tudo dê errado, não deixará sua família em necessidade e terá tempo de reavaliar.

3 – Comece com algo que tenha retorno no curto prazo

Eu sei, seu sonho é construir algo grandioso. Ok, o meu também era. Mas a realidade é que costruir algo grandioso demanda muito tempo e dinheiro, justamente as duas coisas que você não tem sobrando nesse momento.
Então, o melhor é dividir seu sonho em partes e executar primeiro a parte que vai dar retorno no curto prazo.

Por exemplo, se sua ideia é construir uma plataforma de ensino. Para e pense: é possível começar vendendo consultoria? Sim, é possível. Então faça isso e conquiste seus primeiros clientes.

4 – Trabalhe a noite e nos finais de semana

Finais de semana são para descansar? Trabalhar mais de 8 horas por dia é loucura? Se você pensa assim, esse é o momento de desistir e agradecer muito por ter seu emprego. Fique feliz onde está e se esforce muito para não ser demitido.

Caso contrário, prepare-se para uma jornada pesada nos primeiros meses. Você precisará começar um novo negócio do zero e isso exige muita energia. E em paralelo, não pode deixar a peteca cair no seu emprego atual senão perderá sua renda segura. O melhor a fazer é conversar com todos a sua volta, compartilhar seu sonho com eles e explicar que você passará por meses bem tensos.

Agora, arregace as mangas e mãos a obra!

5 – Avalie os resultados a cada semana

Ficar sem dinheiro antes de concluir sua transição é uma das piores coisas que pode acontecer. E se você não tiver muito foco e disciplina tem grandes chances disso acontecer.

Por isso, recomendo que desde o início estabeleça um dia por semana para você parar e avaliar os resultados que está obtendo durante sua transição. Está conseguindo avançar, conquistou os primeiros clientes? Já está com alguma receita? E por ai vai. Faça esse checklist todas as semanas e corrija o que não estiver indo bem.

Caso perceba que não está avançando, que seu plano não está sendo bem sucedido. Pare, reavalie, procure identificar onde de fato não está funcionando e busque ajuda para resolver o problema. Resumindo, pragmátismo é muito importante.

6 – Tome sua decisão

Se tudo correr bem, em algum momento você precisará tomar uma decisão importante: pedir demissão ou não? Veja que seguindo esse plano que tracei, quando esse momento chegar você já vai estar trabalhando por algumas semanas no seu negócio e já terá boas condições para decidir se quer mesmo ter um negócio próprio ou prefere ficar no emprego onde está.

Então, respire fundo e tome sua decisão.

 

Minha experiência em vídeo

Já faz um bom tempo (perto de 3 anos) que tive o prazer de dar uma entrevista para o Seiiti Arata, fundador da Arata Academy, compartilhando um pouco da trajetória que trilhei para sair do emprego e criar um negócio de sucesso. Também falamos sobre Business Model Generation, Lean Startup e diversos assunto relacionados a empreendedorismo digital.

O vídeo é um pouco longo, mas o conteúdo está bem interessante e o Seiiti faz resumos bem legais que agregam bastante. Ah, não repare na qualidade e nem nas informações desatualizadas que podem ter ficado datadas com o vídeo.

 

Se você se identificou com essa história e/ou está passando por algo similar, será muito bom receber um depoimento com sua experiência. Deixe um comentário.

Decisões difíceis e como sair da zona de conforto
6 perguntas para você pensar sobre o que está fazendo e onde quer chegar
 

Rafael Carvalho

Rafael Carvalho fundou sua primeira startup aos 16 anos e desde então passou a explorar novas possibilidades no cenário tecnológico, participando da criação de negócios cada vez mais inovadores.
Atualmente é co-fundador e CEO do Edools, startup que auxilia empresas e empreendedores que desejam vender cursos online e/ou criar treinamentos corporativos, através de uma plataforma poderosa e flexível. O Edools está no ar desde maio de 2013 e é uma das startups com selo Promessas Endeavor e recentemente acelerada pela 500 Startups … [leia mais].

 

Deixe seu comentário: